quinta-feira, 13 de fevereiro de 2014

Truck desfaz parceria com a GT Pro, que termina antes de começar

RIP: GT PRO termina antes mesmo de começar

A Fórmula Truck anunciou, hoje, o fim da parceria que estava sendo alinhavada para que a categoria dos supercarros GT, que passaria a ser denominada GT PRO, tivesse continuidade, correndo juntamente com 8 etapas da corrida dos caminhões. Apesar do esforço de um grupo de pilotos para que a categoria não morresse, algumas coisas não bem esclarecidas aconteceram nos bastidores e puseram fim ao negócio.

A alegação da direção da Truck foi incompatibilidade de patrocinadores e a diferença de perfil entre as categorias. A decisão foi comunicada em reunião entre Neusa Felix Navarro, presidente da Fórmula Truck, e Johnny Weisz, representante da GT, em Santos. “Isso impossibilitou que a parceria seguisse. Não será possível que a efetivemos neste ano, quem sabe em um futuro próximo. Preferimos não causar nenhum tipo de problema a nenhuma das duas categorias e a seus patrocinadores neste momento”, declarou Neusa Navarro.

Marçal Melo, um dos representantes da GT Pro, rebateu em postagem no Facebook: "A GTPRO não tinha nenhum patrocinador... Gostaria muito de saber então qual nosso patrocinador que inviabilizou a parceria", disse Marçal.

Com o fim da parceria, a categoria ficou inviabilizada, e teve seu fim anunciado pelos organizadores. Poderá ser a primeira temporada desde 2007 em que não haverá campeonato de GTs no Brasil, que já vem de uma troca de organização da SRO para a Loyal, que durou apenas um ano organizando, com grid que minguou, ano passado.

Fico pensando em quem estava fazendo investimentos para participar da categorias, vendendo protótipos aro 13" para montar outros de aro 18" fechados, que seriam os permitidos na categoria, como anunciamos aqui, uns dias atrás.

Felizmente, sempre há o Gaúcho de Endurance, que tem "coração de mãe" e admite praticamente todos os tipos de carros, "salvando a pátria" e evitando que quem tem carro fique sem ter onde andar ou para quem vender, evitando, assim, maiores prejuízos para as já sofridas equipes e pilotos que batalham para adquirir e manter carros na pista.

Uma lástima o fim da categoria, a qual sempre apreciei. O único ponto positivo é que alguns protótipos e pilotos gaúchos, que migrariam para a GT Pro, podendo esvaziar o Gaúcho de Endurance, agora continuarão na cat. I, mantendo a excelente fase que o campeonato vem passando.

3 comentários:

  1. É uma pena! Mas acredito que tenha mais coisa "escondida" por aí, pois o argumento usado pela Neuza Navarro foi ridículo, até porque uma competição que nasce (renasce) do zero sai a caça de patrocinadores, e quando se torna um evento suporte de outra categoria, em geral os parocinadores são os mesmos (salvo um ou outro patrocinador). Na Europa é assim, e aqui nos campeonatos promovidos pela Vicar também.

    ResponderExcluir
  2. Fabiani C Gargioni #2713 de fevereiro de 2014 22:12

    Meu Deus e o automobilismo continua engatinhando no Brasil...

    ResponderExcluir
  3. Gurizada,

    Falei que não iria durar 6 meses até "entregarem o campeonato " e a categoria durar 1 ano, como e de praxe no Brasil.

    A Neusa esta correta, protegendo a Truck e os Patrocinadores da Truck que não querem nenhuma outra marca concorrente, mesmo que seja de empresa muito menor...

    Agora, a GT, com carros de Magnata, deveria simplesmente fazer o que se faz na Copa Classic... Vem com o que tem e te enquadra. tem muita variedade? Ou te enquadra, ou assume andar atráz ou fica fora... E claro, se é categoria de Magnata as inscrições não tem porque ser caras... tem que ser baratas pois os caras já estão fazendo o grande favor de botar no GRID um carro de alto valor e que chama público. Agora se as inscrições estão na casa do caralho pra alguns forrarem os bolsos, aí tem que morrer no útero mesmo...

    Aliás, as incrições no Brasil, pra competição de asfalto, fora a TRUK que pesam muito mais que 1.300 kg, deveriam ser o mesmo valor para todas as categorias, pois os caros gastam a pista da mesma maneira... Usam os PITs da mesma maneira, usam água e secretaria da mesma maneira...

    deveria ser posto um valor por tempo ou por volta. Assim ficaria uma barbada pra todos fazerem seus orçamentos...

    Excluem-se os custos fixos do autódromo e organização para facilitar a conta. Inscrições com valor igual para todos seria um bom começo.

    Tipo, aqui no Sul na Classic as inscrições giram por volta de R$ 400,00. Porque outras categorias de turismo tem inscrições muito acima disso para andar 50 minutos ( Classic são duas baterias de 25 minutos cada ) mais os treinos ?

    Duvido que uma ou outra usa mais ambulância, ou gasta mais a pista...

    Tem que começar pelos custos e o mais importante:

    ALGUÉM TEM QUE ADQUIRIR UM CANAL ABERTO DE TELEVISÃO PRA TRANSMITIR NOSSAS CATEGORIAS AO VIVO E SEM INTERVALOS BESTAS.

    AÍ A COISA COMEÇARIA A MUDAR...

    EM VT, UMA VEZ NA VIDA E A 1 HORA DA MANHÃ NÃO DÁ...

    QUEM SABE INCORPORAM A GT COM A COPA CLASSIC... AUTÓDROMOS SÓ TEM POR AQUI MESMO...

    SEGUE O BAILE...

    ResponderExcluir